quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

Maio de 68... Dezembro de 2015

 Homenageio a todos os(as) jovens estudantes que estão ensinando a(os) velhos(as), neste dezembro de 2015, que estão esgotadas as vias burguesas para ser fazer a política. Só com luta se consegue dobrar aquilo que aparentemente já está dado.


Parabéns a todos e todas que estão na luta e a apoiam!




segunda-feira, 16 de novembro de 2015

História dos Estados Unidos - Documentos

Ao lado temos um mapa apresentando as Nações Indígenas e os seus territórios antes da conquista e extermínio promovido pelos europeus. Não custa lembrar a responsabilidade de Franceses, Espanhóis e Ingleses no processo. Do mesmo modo, os americans, após o processo de Independência e a consequente formação dos Estados Unidos, ampliou os seus interesses para o resto do continente. A Marcha para o Oeste esteve sempre acompanhada de histórias de massacres e usurpação territorial.

domingo, 8 de novembro de 2015

Guerra Fria e Descolonização | Ficha Resumo e Documentos

FICHA DE RESUMO

GERAL
I – Pós Segunda Guerra Mundial (1945)
A)           Mundo Bipolar: dividido entre os interesses das potências hegemônicas que surgiram após o fim da Segunda Guerra Mundial, nos casos, Estados Unidos e União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS).
a)            Bloco Capitalista: aprofundamento dos efeitos da Globalização | Doutrina Trumman | Machartismo.
O comportamento da superpotência, em relação ao bloco sob o seu controle, está orientada para preservar: 1) os interesses da superpotência; 2) a manutenção do bloco. Os recursos utilizados são variados e podem ser agrupados: i) pressão ideológico-cultural; ii) pressão econômica; iii) pressão militar.

Questionário - Brasil no Século XIX: Segundo Reinado

O questionário abaixo representa um exercício complementar em relação aquilo que o Livro de História lhe apresenta como problema. NÃO é obrigatória a sua resolução para que se tenha sucesso na avaliação, embora a prática do estudo para resolvê-los possa te ajudar a conquistar uma boa nota.

A iniciativa de se postar um Questionário sobre determinado assunto histórico se justifica, pois os livros didáticos de História ficam em débito com aquilo que é possível ser cobrado sobre determinado assunto.

As respostas podem ser obtidas através da leitura do livro, dos registros feitos em aula e de pesquisa em sítios confiáveis da internet.

Questionário 7º ano - As Civilizações Indígenas da América Central e Sul | A Conquista das "Américas" pelos espanhóis

O questionário abaixo representa um exercício complementar em relação aquilo que o Livro de História lhe apresenta como problema. NÃO é obrigatória a sua resolução para que se tenha sucesso na avaliação, embora a prática do estudo para resolvê-los possa te ajudar a conquistar uma boa nota.

A iniciativa de se postar um Questionário sobre determinado assunto histórico se justifica, pois os livros didáticos de História ficam em débito com aquilo que é possível ser cobrado sobre determinado assunto.

As respostas podem ser obtidas através da leitura do livro, dos registros feitos em aula e de pesquisa em sítios confiáveis da internet.

Quando for resolver os problemas pratique e se habitue a iniciar as respostas com palavras encontradas nas perguntas. Exemplo: Por que a estudante precisa ler? R.: A estudante precisa ler para acumular mais conhecimento. Com isto você aumenta as possibilidade de acerto.

quinta-feira, 5 de novembro de 2015

Questionário 6º ano - Roma Antiga

O questionário abaixo representa um exercício complementar em relação aquilo que o Livro de História lhe apresenta como problema. NÃO é obrigatória a sua resolução para que se tenha sucesso na avaliação, embora a prática do estudo para resolvê-los possa te ajudar a conquistar uma boa nota.

A iniciativa de se postar um Questionário sobre determinado assunto histórico se justifica, pois os livros didáticos de História ficam em débito com aquilo que é possível ser cobrado sobre determinado assunto.

As respostas podem ser obtidas através da leitura do livro, dos registros feitos em aula e de pesquisa em sítios confiáveis da internet.

Quando for resolver os problemas pratique e se habitue a iniciar as respostas com palavras encontradas nas perguntas. Exemplo: Por que a estudante precisa ler? R.: A estudante precisa ler para acumular mais conhecimento. Com isto você aumenta as possibilidade de acerto. 

segunda-feira, 7 de setembro de 2015

Feira Cultural | 2015

Olá queridos alunos e alunas do 9º ano.

Seguem abaixo alguns links que podem facilitar os vossos processos de pesquisa.

Os primeiros tratam basicamente das últimas novidades legais e outros acontecimentos que dizem respeito aos organismos geneticamente modificados.

Bom proveito.

-------------------------------------------------
Somos aquilo que comemos! Projeto da Feira Cultural do ano de 2015

Projeto:
O impacto do consumo de organismos geneticamente modificados na saúde humana.

quarta-feira, 19 de agosto de 2015

Questionário 6º ano Hebreus | Fenícios | Persas


Questionário
Hebreus / Fenícios / Persas

Hebreus
1) Qual livro sagrado conta a origem dos Hebreus?
2) Qual o território de origem dos Hebreus?
3) Qual o primeiro importante profeta dos Hebreus?
4) Aponte um possível motivo religioso para os hebreus terem abandonado a cidade de Ur na Região da Mesopotâmia.
5) Fale sobre a busca dos Hebreus pela Terra Prometida destacando os lugares por onde eles passaram.
6) Por que o povo Hebreu abandonou Canaã e migrou para o Egito?
7) Por que os Hebreus fugiram do Egito em 1250 a.C.?
8) Haviam inúmeros povos na região de Canaã, como os Cananeus e o Filisteus, quando os Hebreus chegaram na região fugindo dos egípcios. Explique qual foi o comportamento do povo Hebreu em relação aos povos que já habitavam a região.
9) Quando Davi derrotou os filisteus ele transformou o monoteísmo hebraico em religião de Estado. Qual o significado disto? Podemos considerar, então, que os povos que habitavam a região e tinham outras religiões, tinham liberdade para continuarem cultuando os seus deuses?
10) Qual o destino que o rei Nabucodonosor daria aos hebreus do Reino de Judá em 587 a.C.?
11) Qual povo foi o responsável por libertar os hebreus do Cativeiro da Babilônia?
12) O que foi a grande Diáspora?

Fenícios
1) Quais condições geográficas favoreceram a relação dos Fenícios (cananeus) com o mar?
2) Quais as principais atividades econômicas desenvolvidas pelos Fenícios?
3) Aquilo que chamamos de Fenícia não era um país ou um império, mas sim inúmeras cidades-estados com uma cultura, uma religião e uma língua semelhante. Explique, então, o que é uma cidade-estado.
4) Explique o que é uma colônia?
5) Como a criação de colônias, em regiões banhadas pelo Mar Mediterrâneo, contribuiu para o crescimento do comércio Fenício?

Persas
1) O rei persa Ciro II a partir de 550 a.C. conquistaria e construiria um imenso império na Ásia. Como foi possível ao mesmo dominar uma área tão extensa, com povos de costumes e religiões tão diferentes?
2) O que Dario I faria para administrar o vastíssimo império Persa conquistado por seu pai Cambises e por seu avô Ciro II?
3) O que eram as Satrapias?
4) Cite 2 elementos criados por Dario primeiro que facilitariam as trocas comerciais realizadas no interior do Império Persa.
5) Além de favorecer o comércio, qual outra vantagem a rede de estradas criada no Império Persa possibilitaria ao seu rei em caso de rebelião em alguma Satrapia?
6) Como estava dividida a sociedade persa?
7) Qual a principal religião dos Persas?
8) Indique as duas características principais do Zoroastrismo.

quarta-feira, 29 de abril de 2015

Primeira República no Brasil (1889 - 1930)


Olá queridos alunos e alunas. Segue abaixo um pequeníssimo texto baseado nas exposições que tenho feito em aula. Bom proveito e espero que os ajude a ter uma maior compreensão do tema. ;)

----------------------------------------------------------------------------
Industrialização no Brasil
A Industrialização no Brasil só foi possível, antes de qualquer coisa, por que havia capital disponível para se investir em tal atividade.

Esta grande oferta de Capital de investimento foi proporcionada pelo sucesso da atividade do Café, a partir da segunda metade do século XIX.

O Estado de São Paulo, por ser o maior produtor do Brasil, investirá um grande volume de capital na cidade de São Paulo.

Por sua vez, a cidade do Rio de Janeiro se industrializa principalmente com o capital do governo Federal. Belo Horizonte, outro grande pólo industrial que se formara nas primeiras décadas do século XX, contou também com investimentos que se originaram nas atividades realizadas no campo.


As conseqüências Sociais do surgimento da atividade Industrial no Brasil
Com o surgimento da atividade industrial observamos o surgimento de novas classes sociais, nos casos: 1) a Burguesia Industrial; 2) o Operariado.


Cada classe social possui interesses específicos
Toda nova classe social traz um novo dinamismo à sociedade a qual pertence, pois cada classe social possui interesses que lhes são bem específicos e contraditórios aos interesses que acabam prevalecendo na sociedade na qual surgem.

Por exemplo, a burguesia industrial está interessada em receber maior atenção do Estado Republicano Brasileiro. O tipo de atenção que ela espera receber, por exemplo, era: 1) diminuição de impostos; 2) maiores tarifas alfandegárias para os produtos importados; 3) crédito para investimento em novas tecnologias de produção; 4) impedir ou limitar os direitos trabalhistas, etc.

Por sua vez, o operariado está interessado também em receber maior atenção do Estado Republicano Brasileiro. No entanto, os interesses dos trabalhadores e trabalhadoras são profundamente diferentes dos interesses da burguesia industrial. Por exemplo, os(as) trabalhadores(as) esperam: 1) terem direitos assegurados por Leis Trabalhistas; 2) receber melhores salários; 3) serem atendido por políticas públicas; 4) viver em situação de dignidade, etc.


Conflito entre as classes sociais tradicionais e as novas classes sociais
Uma República controlada pelos fazendeiros só realiza politicamente os interesses dos fazendeiros
A Primeira República no Brasil (1889 – 1930) era governada pelas elites agrárias do país, principalmente as elites de São Paulo e Minas Gerais. A origem do poder destas elites pode ser entendida, em São Paulo, pelo volume de capital gerado pela economia paulista. Já no caso de Minas Gerais, além de possuir uma grande economia era também o Estado Brasileiro com o maior número de eleitores(as) aptos(as) a votarem.

Ambas as elites acordaram no Pacto de Ouro Fino em 1913 a alternância à frente do executivo federal (presidência), lançando, assim, ora a candidatura de um presidente mineiro, ora a candidatura de um presidente paulista. Por este motivo a Primeira República é também chamada de República do Café com Leite.

Para que sempre fossem eleitos membros ou da elite paulista ou da elite mineira de forma programada, era necessário que houvesse um instrumento que viabilizasse tais eleições.

O instrumento, que, por sua vez, viabilizava a previsibilidade no processo de eleição para as diversas esferas de poder (federal, estadual e municipal) começava com o Voto Aberto, característica prevista pela Constituição de 1891.

Dizendo de outra maneira, quando uma pessoa, no caso, um homem (já que as mulheres estavam excluídas pela lei de participarem de eleições pela Constituição de 1891) maior de 21 anos e alfabetizado ia as urnas votar, havia uma maneira dos candidatos saberem a identidade daquele que votou.

Como as elites agrárias estaduais mais poderosas, desde o Período Regencial (1831 – 1840) tinham todos os meios repressivos para coagirem e violentarem os cidadãos e cidadãs na Primeira República (não custa lembrar que a chefia da Guarda Nacional era responsabilidade de “Coronéis” brancos, donos de terras ex-donos de escravos) o eleitorado era pressionado, sob ameaças diversas, a votarem nos candidatos que as elites regionais esperavam serem eleitos. (Esta forma de se pressionar ficou conhecida na história como Coronelismo)

Com uma eleição teatralizada, as elites agrárias conseguiram controlar o Estado Republicano brasileiro de 1889 à 1930, realizando com exclusividade os seus interesses particulares. Para agravar ainda mais a situação tal elite cultivava um sentimento de profundo preconceito e ódio em relação a maior parte da população que governava, considerando-a degenerada segundo os valores eugênicos tão em voga na época.

 O evento mais claro onde um Estado controlado por uma classe social realiza de forma privilegiada somente os seus interesses, pode também ser encontrado na assinatura do Convênio de Taubaté. No mesmo o Estado Republicano brasileiro usaria o patrimônio público (construído através da cobrança de impostos de todos os cidadãos e cidadãs) para comprar o café dos fazendeiros produtores de café quando o preço do produto caísse demais. Após a compra o Estado Brasileiro ou estocava o grão ou o destruía. O motivo da compra era: 1) diminuir a oferta de café para aumentar o seu preço; e 2) desviar dinheiro público para custear os prejuízos dos cafeicultores.


Se os Fazendeiros só usam o Estado para tomarem decisões favoráveis aos seus interesses, os excluídos reagem
- Para a classe trabalhadora urbana ou camponesa
Não haviam possibilidades de mudanças sociais promovidas pelos Estado Republicano entre os anos de 1889 e 1930.

Vejamos, então, por que:
A mudança através das urnas era impossível de ser realizada porque as eleições eram: 1) restritas: somente os homens de 21 anos e alfabetizados participavam das eleições. Logo, a maior parte da população estava amplamente excluída de qualquer tipo de participação política através das urnas; 2) previsíveis: com o voto aberto e a coação das elites locais para que o eleitorado votasse nos candidatos que desejavam, os mesmos grupos elegiam se sempre aos cargos do executivo e legislativo. Logo, não haviam possibilidades de mudanças se as pessoas eleitas eram sempre as mesmas.

Com uma elite agrária profundamente racista as camadas populares eram tratadas de forma desumana pelo Estado. A frase do presidente Washington Luís é emblemática, neste aspecto e sintetiza a forma como o poder público tratava as questões sociais na Primeira República: “A questão social é uma questão de polícia”. Deste modo, as Revoltas eram muito comuns dentro do período, tendo em vista o fato de não haver nenhum canal de diálogo entre o poder público e a população mais pobre.

Deste modo, não havia outra possibilidade de cobrar mudanças básicas junto ao Estado Republicano, senão partindo para uma forma de manifestação mais radical.

É costume agrupar as manifestações populares ocorridas na Primeira República (1889-1930) em 4 tópicos:
1) Messianismo: A Revolta de Canudos e a Guerra do Contestado são os exemplos de maior destaque quando se fala da luta camponesa.

2) Banditismo: O Cangaço e o Bando do Lampião são os maiores exemplos deste eixo.

3) Tenentismo: Revolta 13 do Forte de Copacabana, Revolta da Chibata e Coluna Prestes-Miguel Costa (marchou por todo o interior do Brasil) são os maiores exemplos de revoltas organizadas por oficiais de baixa patente ligados às forças militares brasileiras.

4) Manifestações Urbanas: As lutas operários (realização de Congressos, Greves e a Fundação do PCB), tal como, a Revolta da Vacina são exemplos comumente citados quando se trata de lutas populares organizadas no espaço urbano.

Autoria: Alek Sander de Carvalho
É proibida a reprodução do texto acima sem autorização.


domingo, 29 de março de 2015

Questionário sobre a Primeira República no Brasil

Primeira República no Brasil (1889 – 1930)

A - Questões Conceituais Fundamentais.
1) Qual o conceito de Estado trabalhado em sala de aula?
2) Quais as características de um Estado Monárquico?
3) Quais as características de um Estado Republicano?
4) Explique quais as características de um regime de mão de obra escrava.
5) Explique quais as características de um regime de mão de obra assalariada.
6) Explique qual o significado conceitual de identidade?
7) Explique o significado do conceito de economia.

B - São 6 os principais motivos que devem ser entendidos para que se compreenda o fim do Segundo Reinado e a Proclamação da República no Brasil. Todos estes motivos são importantes, pois apontam para o desgaste do poder político de Dom Pedro II e a perda de apoio político de importantes setores da sociedade brasileira.
8) Aponte as características dos conflitos que ocorreram no século XIX, agravados a partir de 1808 com a vinda da Família Real Portuguesa, entre as elites provinciais “brasileiras” e o Governo Central.
9) Por que a elite cafeeira do Oeste Paulista acabou se tornando um setor contestador do regime monárquico na segunda metade do século XIX?
10) Por que o Exército brasileiro é considerado um setor contestador do regime monárquico no Brasil do século XIX, após a Guerra do Paraguai (1864 – 1870)?
11) Explique por que a abolição da escravidão no Brasil deu-se de forma gradativa e quando abolida em definitivo em 1888, o evento precipitou em 1889 a Proclamação da República.
12) Relacione o tema da Questão Religiosa, conflito entre D. Pedro II e o Papa Pio IX, com a perda de apoio político no Brasil do século XIX.
13) Qual o papel do movimento republicano como setor contestador do regime monárquico de D. Pedro II?

C - As questões a seguir tratam da construção de uma Identidade Nacional para o Brasil após a Proclamação da República em 15 de novembro de 1889. O primeiro projeto de identidade foi construído pela elite econômica e política do Brasil, um dos mais poderosos grupos a frente da Proclamação da República.
14) Explique o que é Eugenia.
15) Por quais motivos a elite brasileira, que controlava o Estado Republicano, criou um projeto de identidade onde pretendia branquear a população?
16) Explique as características das políticas públicas orientados para as camadas mais pobres da sociedade brasileira dentro da Primeira República (1889 – 1930).
17) Explique o que foi o Coronelismo.
18) Qual a ligação do Coronelismo com a fundação das Guardas Nacionais em 1831?
19) Aponte: 1) as características do Convenio de Taubaté; 2) e como tal medida adotada pelas elites agrárias que controlavam o Estado Republicano Brasileiro, era uma forma de se socializarem os prejuízos para se particularizarem os lucros.

D - As questões abaixo estão relacionadas com o tópico anterior. Em resumo, são indícios que nos demonstram a reação popular frente ao Estado da Primeira República chefiado pelas elites agrárias do Brasil.
20) De forma geral explique quais eram os principais motivos de insatisfação popular no campo e nos centro urbanos?
21) O que foi a Guerra de Canudos?
22) O que foi a Guerra do Contestado?
23) O que foi a Revolta da Vacina?
24) O que foi a Revolta da Chibata e quais as suas principais reivindicações?
25) O que foi a Revolta 13 do Forte de Copacabana e quais as suas principais reivindicações?
26) O que foi a Coluna Prestes – Miguel Costa e quais as suas principais reivindicações?
27) Explique o que foi o Cangaço?
28) Fale sobre o movimento operário dentro do período da Primeira República.

E - A questão a seguir trata do segundo Projeto de Identidade construído para o Brasil, obra dos “Modernos de 1922” que através de inúmeras vertentes artísticas pensaram uma identidade que viesse a substituir àquela criada pela elite agrária e racista, baseada em idéias eugênicas.
28) Quais os principais elementos criados pelos Modernos de 1922 e que fundam uma nova identidade para o Brasil?

*Todas as questões acima foram criadas tendo em vista alguns dos temas mais fundamentais dentro do período da Primeira República no Brasil (1889 - 1930)

domingo, 1 de fevereiro de 2015

Documentos para Análise: Discursos Imperialistas no Século XIX/XX

Abaixo segue uma pequena relação de discursos imperialistas produzidos no século XIX e XX.

Embora de natureza distinta e buscando atingir fins também distintos todas desembocam em um mesmo ponto. Demonstram, assim, não só forte marca cultural do período como também o grau de disseminação da mesma.

Sendo mais preciso, as grandes transformações ocorridas no século XIX na: 1) consolidação do regime de organização da mão de obra no interior das indústrias; 2) na descoberta de novas fontes de energia e materiais; 3) no desenvolvimento de novas máquinas e tecnologias; causariam um impacto gigantesco nos níveis de produção.

Eram necessários novos mercados consumidores e esta frente foi aberta com o uso da violência militar de Estados controlados por grandes corporações burguesas. Como as Forças Militares são uma instituição do Estado e aquilo que a sustenta são os impostos dos cidadãos e cidadãs, quais dentre os(as) contribuintes pagaria de bom grado se soubesse que os mesmos estavam sendo usados para escravizar crianças, jovens e adultos independentemente do gênero? Noutro aspecto como continuariam sendo eleitas as mesmas forças políticas dentro do Estado Burguês, onde aqueles que governam são eleitos pelo voto?

Heis, então, que a mídia encontra um lugar privilegiado no discurso imperialista, cumprindo, por fim, o papel de justificar a injustificável violência de um Estado contra outras nações espalhadas pelo continente africano, asiático, oceania e americano.

Dizendo de outra forma, é como eu brinco com os meus alunos e alunas. Se narro um ato de violência praticado por mim todos os ouvintes me perguntarão: - Porque você fez isto? Não dando uma justificativa certamente serei condenado pelo ato, mas dependendo da explicação a violência encontra a possibilidade de ser autorizada.

Autoria: Alek Sander de Carvalho
Reprodução autorizada desde que citada a fonte e que não seja para fins comerciais.

--------------------------------------------------------------------------
Judge Magazine e Puck Magazine eram semanários publicadas nos Estados Unidos entre os séculos XIX e XX. A primeira, no caso, a Judge entre 1881 e 1947 e a segunda, a Puck entre os anos de 1871 e 1918.

Publicada na revista Judge em 1899.

Publicada na revista Judge em 06/10/1899. A figura retratada na capa é o presidente estadunidense William Mckinley.

Publicada na revista Judge em 02/06/1897.

Publicada na revista Judge em 04/05/1907.

Charge publicada na Revista Puck.



Publicada na Revista Judge em 25/01/1908.

Publicada na Revista Judge.

--------------------------------------------------------------------------
A marca de sabonete Pears foi produzida pela primeira vez em 1807 na Inglaterra.



Publicado no gráfico para o natal de 1884 .

Propaganda do ano de 1899. Tradução: Os primeiros passos diante da luz. O fardo do homem branco ao ensinar as virtudes da limpeza. O sabonete PEAR é um potente fator de embranquecimento dos cantos escuros da civilização avançada, dentre todas as nações se mantém no mais alto posto do banheiro ideal.

--------------------------------------------------------------------------

Documentos escritos.
Em meados de 1730, o naturalista sueco Carl Von Linné (1707-1778) resolveu classificar toda a criação divina, logo também os seres humanos. No entanto, ao fazer tal classificação o naturalista inventou sub-raças para diferenciar os seres humanos. Criou, então, variedades para o gênero Homo Sapiens, subdividindo-a em: Homo europaeus, Homo asiaticus, Homo afer e Homo americanus. Linné classificaria as civilizações africanas como integrantes do subgênero Homo afer. Sobre estes disse que eram como “astutos”, “preguiçosos” e “libidinosos”.

DISCURSO DO NATURALISTA BRITÂNICO ALFRED WALLACE EM 1864.
"As qualidades morais e físicas dos europeus são superiores; a mesma força e as mesmas capacidades que o levaram a sair, há alguns séculos, da condição de selvagem nômade (...) para o seu atual estado de cultura e progresso (...) concederam-lhe o direito, quando em contato com o selvagem, de ser o vitorioso na luta pela existência e de crescer às custas do seu sacrifício."

CHAMBERLAIN, POLÍTICO INGLÊS, EM DISCURSO PROFERIDO NO DIA 11 DE NOVEMBRO DE 1895.
"Sim, eu creio nesta raça, a maior das raças governantes que o mundo jamais conheceu, orgulhosa, tenaz, confiante em si, resoluta, que nenhum clima, nenhuma mudança pode degenerar e que, infalivelmente será a força predominante na história futura da civilização."
"Sim, eu creio nesta raça, a maior das raças governantes que o mundo jamais conheceu, orgulhosa, tenaz, confiante em si, resoluta, que nenhum clima, nenhuma mudança pode degenerar e que, infalivelmente será a força predominante na história futura da civilização."
In: MESGRAVIS, Laima. A Colonização da África e da Ásia: a expansão do imperialismo europeu no século XIX. São Paulo: Atual, 1994. p. 14.

ALBERT SARRAUT, POLÍTICO FRANCÊS ENTRE O XIX E O XX.
"A natureza distribuiu desigualmente no planeta os depósitos e a abundância de suas matérias-primas; enquanto localizou o gênio inventivo das raças brancas e a ciência da utilização das riquezas naturais nesta extremidade continental que é a Europa, concentrou os mais vastos depósitos de matérias-primas nas Áfricas, Ásias tropicais, Oceanias equatoriais, para onde as necessidades de viver e de criar lançariam o elã dos países civilizados. Estas imensas extensões incultas, de onde poderiam ser tiradas tantas riquezas, deveriam ser deixadas virgens, abandonadas à ignorância ou à incapacidade? (...) A humanidade total deve poder usufruir da riqueza total espalhada pelo planeta. Esta riqueza é o tesouro comum da Humanidade."
SARRAUT, Albert. Grandeur et Servitude Coloniales. Paris: Nathan, 1931. p. 18-19.

DISCURSO PROFERIDO PELO PRIMEIRO MINISTRO FRÂNCES JULES FERRY AO PARLAMENTO NO DIA 28 DE JULHO DE 1885.
"As raças superiores têm um direito perante as raças inferiores. Há para elas um direito porque há um dever para elas. As raças superiores têm o dever de civilizar as inferiores (...)  Vós podeis negar; qualquer um pode negar que há mais justiça, mais ordem material e moral, mais equidade, mais virtudes sociais na África do Norte desde que a França a conquistou?"
In: MESGRAVIS, Laima. A Colonização da África e da Ásia: a expansão do imperialismo europeu no século XIX. São Paulo: Atual, 1994. p. 14.


--------------------------------------------------------------------------

QUANDO O DISCURSO NÃO DIALOGA COM A REALIDADE

ÍNDIA
As Fotos abrangem o período de 1876-1879 que evidência as consequências da "missão tão civilizadora" que empreenderam na Índia e vitimou cerca de 60 milhões. Algumas estimativas apontam para o número de 5 milhões de mortos que não tinham absolutamente nada com o que se alimentar.

Publicada no Illustrated London News (20 October 1877)




 --------------------------------------------------------------------------
CONGO SOB INVASÃO E DOMÍNIO BELGA
  Fotografia de 1904.


Fotografia de 1904.

Foto de 1905.

 Caça predatória e o estopim para o início da extinção de inúmeras espécies de animais.


Fotografia de Alice Seeley Harris do "Congo" invadido pelos Belgas.

 --------------------------------------------------------------------------

PANFLETO ESCRITO POR UM NATIVO DA INDOCHINA
"Aos vossos olhos, somos selvagens, animais obscuros incapazes de distinguir entre o Bem e o Mal. Não somente vos recusais a tratar-nos em pé de igualdade, como temeis até nossa aproximação como se fôssemos objetos de asco."
TRINH, Fan Isu. In: PANIKKAR, K. M. A dominação ocidental na Ásia. Rio de Janeiro: Saga, 1965. p. 231.

 --------------------------------------------------------------------------

Documentos Contemporâneos

.

.
CASO TRAYVON MARTIN
http://www1.folha.uol.com.br/mundo/2013/07/1310976-zimmerman-inocentado-da-morte-de-trayvon-martin-provoca-indignacao-nos-eua.shtml
.
CASO TROY DAVIS
http://www.pstu.org.br/node/16830
.
RACISMO EM PARTIDA DE VÔLEI NO BRASIL
http://esporte.uol.com.br/volei/ultimas-noticias/2015/01/28/capita-da-selecao-de-volei-e-vitima-de-insultos-racistas-na-superliga.htm
.
CASO AMARILDO
http://g1.globo.com/fantastico/noticia/2013/10/policial-teria-dito-para-amarildo-e-boi-acabou-voce-perdeu.html
.
ARTIGO: A VIOLÊNCIA NO BRASIL TEM COR
https://anistia.org.br/tragedia-de-ferguson-e-rotina-brasil/